PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Terça-Feira, 10 de Setembro de 2019, 08h:38
Tamanho do texto A - A+
AGRONEGÓCIO
ALTERNATIVA Twitter

Sequenciar o genoma da ervilha ajudará a melhorar culturas

Por: AGROLINK

 

Alguns cientistas trabalham na modificação genética de bactérias e leveduras para obter uma produção em larga escala de canabinóides com potencial farmacêutico. Além disso, outros pesquisadores desenvolvem cannabis biotecnológica que produz esses mesmos compostos em toda a planta, não apenas em seus tricomas. 

 

A cannabis (maconha p) é a única planta conhecida por produzir tetra-hidrocanabinol (THC), mas ainda é um recipiente imperfeito para produzir o produto químico em escala industrial. A substância psicoativa é normalmente encontrada apenas em pequenas estruturas volumosas da planta, conhecidas como tricomas, o que significa que seu caule, caules e folhas são biomassa desperdiçada. 

 

A engenharia genética poderia fornecer alternativas mais eficientes. Alguns pesquisadores e empresas de biotecnologia aspiram substituir as plantas de cannabis por microorganismos geneticamente aprimorados para produzir THC, também o composto não psicoativo cannabidiol (CBD) e uma infinidade de outros canabinóides de interesse farmacêutico. Outros pesquisadores pretendem modificar a síntese química na planta de cannabis modificando geneticamente suas células para produzir as moléculas desejadas produzidas de ponta a ponta na planta, o que aumentaria o rendimento da produção. 

 

O interesse comercial por essas estratégias está aumentando. Em 2018, por exemplo, a Canopy Growth Corporation em Smiths Falls, Canadá, a maior empresa legal de cannabis do mundo, pagou mais de US$ 300 milhões em dinheiro e ações para adquirir a Ebbu, uma pequena empresa em Evergreen, Colorado, que havia desenvolvido uma das primeiras plataformas a manipular o genoma da cannabis com o sistema de edição de genes CRISPR / Cas9. E em abril, a Zenabis, uma produtora de maconha com sede em Vancouver, Canadá, concordou em comprar 36 toneladas de CBD quase puro e bacteriano da empresa farmacêutica Farmako, em Frankfurt, na Alemanha, o primeiro contrato desse tipo para canabinóides biossintéticos. 

Twitter

PUBLICIDADE



Veja mais sobre este assunto:

Edição 196 Setembro de 2019

PUBLICIDADE

Enquete
COLUNISTA
BLOGS MAX
  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE


PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

© 2019 - Notícia Max - Todos os direitos reservados