ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Segunda-Feira, 02 de Abril de 2018, 09h:51
Tamanho do texto A - A+
Twitter
INFORMAÇÕES ATUALIZADAS

Livro atualiza técnicas de criação de pirarucu em cativeiro

Por: Assessoria Embrapa

libro

 

A Embrapa acaba de publicar o livro "Piscicultura de Pirarucu", da Coleção Criar. O livro é fruto das demandas de produtores brasileiros que buscam informações seguras e atualizadas sobre a criação desse peixe em cativeiro, considerado uma grande aposta do mercado aquícola brasileiro. A publicação está disponível para compra na Livraria Virtual da Embrapa, no endereço www.embrapa.br/livraria.

Nativo da Amazônia, o pirarucu é bastante apreciado na culinária regional pelo sabor, pela qualidade e textura da carne e pela ausência de espinhas. Além disso, o rendimento da carne desse peixe chega a 60%, e o crescimento em cativeiro é impressionante: ele atinge de 10 a 12 quilos em um ano de cultivo, enquanto que a tilápia, por exemplo, uma espécie exótica, cresce um quilo em seis meses. Porém, a produção em cativeiro é pequena frente à demanda de mercado, e a pesquisa ainda precisa consolidar um sistema de produção desse animal. 

De acordo com o IBGE, em 2016, o Brasil produziu 8.600 toneladas de pirarucu em cativeiro, quase 100% no estado de Rondônia, com 7.900 toneladas. O Pará aparece como segundo produtor nacional, com pouco mais de 150 toneladas/ano. Para se ter uma ideia, a produção brasileira de tambaqui, um peixe também nativo mas sobre o qual a pesquisa já avançou no conhecimento da espécie, é de quase 140 mil toneladas/ano, quase 20 vezes maior que a produção de pirarucu.

A biológica Alexandra Bentes, uma das autoras da publicação e pesquisadora da Embrapa Amazônia Oriental, diz que é necessário dar várias respostas ao segmento produtivo, “temos várias informações técnicas reunidas, mas ainda não há um pacote tecnológico completo para a criação em cativeiro dessa espécie”, relata a pesquisadora.  

Desafios para a produção 

O manejo reprodutivo é um dos temas abordados na publicação e tem como principal objetivo aumentar a produtividade e a qualidade dos plantéis (lotes de peixes). Ao fazer cruzamentos ao acaso, sem verificar o grau de parentesco entre os animais, a probabilidade de perda da produção é maior. E esse controle só é possível com o conhecimento da origem dos animais.

Um aspecto importante desse manejo é quanto à identificação do sexo dos animais, isso porque a reprodução do pirarucu se dá de forma natural, por meio da formação de casais no ambiente de cultivo. A publicação traz técnicas de identificação mais precisa dos animais e como se dá o comportamento reprodutivo da espécie.  

Outro desafio levantado pela pesquisadora Alexandra Bentes é o manejo nutricional do pirarucu. “É um peixe carnívoro e a ração, com 45% de proteína, ainda é um fator que eleva o custo de produção”, explica. Além disso, o peixe precisa ser treinado a comer a ração desde cedo, quando ainda é um alevino.  A nova publicação aborda o treinamento alimentar e todos os aspectos da nutrição dessa espécie. Traz ainda informações atualizadas sobre qualidade da água,  sanidade, manejo, recria, processamento, culinária, entre outros temas. 

 

Twitter



Edição 139 julho de 2018

COLUNISTAS
Enquete

BLOGS MAX



© 2016 NOTÍCIA MAX - Todos os direitos reservados.