Quarta-Feira, 07 de Fevereiro de 2018, 09h:53
Tamanho do texto A - A+
NUTRIÇÃO ANIMAL

Pecuarista utiliza silagem para complementar a alimentação do rebanho na seca

Por: Assessoria Senar

 

As pastagens são de importância vital para a pecuária brasileira. Estima-se que pelo menos 75% da superfície utilizada pela agricultura seja ocupada por pastagens, o que corresponde a aproximadamente 20% da área total do país. As pastagens representam a forma mais prática e econômica de alimentação dos bovinos, constituindo-se a base de sustentação da bovinocultura de corte no Brasil.

Porém a oferta sazonal de pasto faz com que o produtor precise se preparar para alimentar o rebanho na época da seca. Rica em energia, a silagem entra como complemento à dieta animal baseada também em proteína. O milho e o sorgo, além do capim, são as principais fontes de forragem quando o período de chuvas se encerra em Mato Grosso.

Explorando o processo que vai da escolha da semente à compactação da silagem, o engenheiro agrônomo da Embrapa Milho e Sorgo, Diego Oliveira Carvalho enfatiza que a boa silagem de sorgo apresenta valor nutricional equivalente ao do milho, com um desempenho que não varia em mais de 10%. A principal diferença entre as duas culturas se dá quanto existe uniformidade de amadurecimento dos grãos e resistência à seca.

Segundo ele, o milho tem a vantagem de amadurecer de uma só vez, sendo fácil atestar o momento certo para a colheita. A dica é espremer o grão entre os dedos e ver se ele está com textura de leitoso para farináceo, começando a endurecer. Os grãos de sorgo, por sua vez, não amadurecem ao mesmo tempo na panícula. O processo acontece da ponta para a base.

Em relação ao tamanho das partículas, Carvalho recomenda que tenham cerca de um centímetro. Além de ajudar com a compactação, isso aumenta o aproveitamento dos nutrientes pelo gado. “Com os sistemas corn-cracker, se pode aumentar a probabilidade do grão ser digerido pelo animal porque, dependendo do tamanho da partícula, ele passa direto pelo trato digestivo”.

Porém, talvez a parte mais importante do processo de produção da silagem, a compactação é a etapa em que se confirma a qualidade do alimento que será destinado ao gado.  O objetivo é eliminar todo o oxigênio entremeado no volumoso para aumentar a eficiência da fermentação que produz o ácido lático responsável por conservar a matéria orgânica.

Segundo o agrônomo, se tudo for feito dentro dos parâmetros indicados, o silo ganha vida longa, podendo alimentar o rebanho por anos consecutivos. O sinal de que tudo correu bem é sentido na temperatura do volumoso. “Colocando a mão na silagem o produtor deve reparar que a mistura não é nem fria nem quente, acompanhando a temperatura ao redor”.

QUALIFICAÇÃO – Em Mato Grosso, boa parte dos pecuaristas utilizam a silagem para suplementação dos bovinos tanto de corte, como de leite. O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (SENAR-MT) oferece pelo menos três treinamentos para qualificar profissionais para atuar nesta área.

Produção de suplementos na propriedade é um destes cursos. O objetivo é produzir suplementos para a nutrição dos ruminantes. O conteúdo deste treinamento inclui assuntos como conceitos nutricionais, concentrados (energéticos, proteicos, minerais, vitaminas e aditivos), fórmula dos suplementos, qualidade dos ingredientes e número de animais tratados.

Já no treinamento de produção de silagem, com carga horária de 24 horas, o objetivo é mostrar como se produz silagem para nutrição animal. O conteúdo deste curso inclui assuntos como a escolha do local a ser implantada a forrageira e também as espécies mais apropriadas para a silagem. O participante também aprende a fazer o planejamento da produção de forragem e as etapas da implantação da silagem.

Outro treinamento bastante demandado nas regiões onde a cadeia produtiva da bovinocultura é bastante desenvolvida é o de manejo e recuperação das pastagens. Com carga horária de 40 horas, o treinamento tem o objetivo de ensinar o participante a efetuar a implantação das pastagens, adubação, calagem, combate ao fogo e às pragas e o manejo correto das sementes. O conteúdo deste treinamento é extenso incluindo assuntos como evolução da pecuária no Brasil e em Mato Grosso.

Os interessados em saber mais sobre estes treinamentos ofertados pelo SENAR-MT em parceria com os Sindicatos de Produtores Rurais devem acessar o site www.senarmt.org.br ou ainda procurar o Sindicato Rural de seu município para verificar se há turmas previstas e se há vagas.

Fonte: Beef Point, Embrapa e Revista DBO.

 




Edição 117 Dezembro 2017

COLUNISTAS

BLOGS MAX



Enquete
© 2016 NOTÍCIA MAX - Todos os direitos reservados.