PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Sexta-Feira, 25 de Outubro de 2019, 09h:09
Tamanho do texto A - A+
INTERNACIONAL
COMITÊ Twitter

Acidente com Boeing da Lion Air foi provocado por série de falhas, diz relatório indonésio

Por: G1

Tatan Syuflana

UTOMO

 

O acidente com Boeing 737 Max da Lion Air na costa da Indonésia foi provocado por série de falhas, de acordo com relatório de investigadores da Indonésia divulgado nesta sexta-feira (25). A tragédia ocorrida em 28 de outubro de 2018 deixou 189 mortos.

 

O comitê indonésio encarregado da segurança dos transportes indica que problemas com a aeronave e falhas dos pilotos levaram à tragédia, segundo relato da BBC. Os investigadores também destacaram problemas com o novo sistema de controle de voo da aeronave.

 

"A concepção e certificação" do Sistema de Aumento de Características de Manobra (MCAS), que é um sistema automático que deveria impedir a queda do avião, "foram inadequados". Esse sistema foi desenvolvido pela Boeing, especificamente para os modelos 737 MAX 8 e o MAX 9, para ajudar os pilotos a manter a aeronave na posição adequada às condições de voo.

 

O acidente com Boeing 737 Max da Lion Air na costa da Indonésia foi provocado por série de falhas, de acordo com relatório de investigadores da Indonésia divulgado nesta sexta-feira (25). A tragédia ocorrida em 28 de outubro de 2018 deixou 189 mortos.

 

O comitê indonésio encarregado da segurança dos transportes indica que problemas com a aeronave e falhas dos pilotos levaram à tragédia, segundo relato da BBC. Os investigadores também destacaram problemas com o novo sistema de controle de voo da aeronave.

 

"A concepção e certificação" do Sistema de Aumento de Características de Manobra (MCAS), que é um sistema automático que deveria impedir a queda do avião, "foram inadequados". Esse sistema foi desenvolvido pela Boeing, especificamente para os modelos 737 MAX 8 e o MAX 9, para ajudar os pilotos a manter a aeronave na posição adequada às condições de voo.

 

Crise na Boeing

A Boeing disse que espera que o 737 Max volte a voar antes do final do ano, porém a pressão sobre a empresa não para de aumentar.

 

No dia 21 de outubro, novos documentos lançaram mais dúvidas sobre a volta à operação do 737 MAX. Houve pedido de aumento dos pedidos de mudança na direção da gigante aeronáutica americana.

 

A Boeing anunciou na terça-feira (22) a demissão de Kevin McAllister, chefe da Divisão de Aviação Comercial (BCA), sendo esta a primeira saída de um executivo da companhia desde o início da crise.

 

No início de outubro, a Boeing retirou o título de presidente de Dennis Muilenburg, alimentando a especulação de que ele pode deixar a empresa.

Twitter

PUBLICIDADE



Veja mais sobre este assunto:

Edição 208 Dezembro de 2019

PUBLICIDADE

Enquete
COLUNISTA
BLOGS MAX
  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE


PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

© 2019 - Notícia Max - Todos os direitos reservados