Quinta-Feira, 08 de Fevereiro de 2018, 11h:51
Tamanho do texto A - A+
NECESSIDADES HUMANITÁRIAS

FAO pede US$ 1 bilhão para combater fome em 26 países

Por: Agência Brasil

Os conflitos e os desastres naturais fizeram aumentar as necessidades humanitárias em 2018, razão pela qual a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) pede US$ 1,06 bilhão para assistir 26 países. A informação é da Agência EFE.

 

A agência solicitou em um comunicado que os doadores renovem seu apoio financeiro este ano e permitam o financiamento de ações para ajudar mais de 40 milhões de pessoas que dependem da agricultura de subsistência nesses países.

Agência Effe

Criança Somali

Criança somali em um campos para deslocados em Qardho. O país enfrenta uma longa seca e organismos internacionais alertam que o país pode passar por uma grave crise de fome

Concretamente, se pretende restaurar rapidamente a produção local de alimentos e melhorar a nutrição com o fornecimento de sementes e outros insumos agrícolas, proteger o gado, melhorar a gestão dos recursos como a terra e a água, e distribuir dinheiro para que as famílias possam comprar alimentos de forma imediata.

 

As últimas estatísticas da Organização das Nações Unidas assinalam que a fome aumentou no mundo, até afetar 815 milhões de pessoas, principalmente pela intensificação da violência e da mudança climática.

 

O diretor de Emergências da FAO, Dominique Burgeon, assegurou que em 2017 a rápida resposta humanitária permitiu salvar milhões de vidas, mas outros tantos milhões de pessoas "seguem no limite da inanição".

 

Burgeon acrescentou que a recuperação da agricultura é "fundamental" para combater a fome e "abrir uma via para a resiliência em meio a crises humanitárias".

 

Entre os países com maior insegurança alimentar aparecem o Iêmen, com mais de 14 milhões de pessoas em crise ou emergência; a Síria, com 7 milhões passando fome de forma severa; a República Democrática do Congo, com 6 milhões; e o Sudão do Sul e a Somália, ambos com 5 milhões na mesma situação.

 

No ano passado a fome assolou algumas regiões do Sudão do Sul, embora tenha sido contida a tempo, e representou uma ameaça séria no Iêmen, na Síria e no Nordeste da Nigéria.

 

Além dos conflitos e outros surtos de violência, vários furacões causaram graves danos no Caribe, enquanto que na África a seca e a praga da lagarta acabaram com grandes cultivos de produtos básicos, como o milho.




Edição 117 Dezembro 2017

COLUNISTAS

BLOGS MAX



Enquete
© 2016 NOTÍCIA MAX - Todos os direitos reservados.