PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Sábado, 13 de Julho de 2019, 09h:30
Tamanho do texto A - A+
BENEDITO FIGUEIREDO
Twitter

Cirurgia plástica

 

A cirurgia plástica como toda cirurgia realizada oferece risco ao paciente. Já vimos na mídia casos de mulheres que em busca de um corpo mais bonito acabaram perdendo a vida na mesa de cirurgia.

 

É importante que o paciente saiba que há atitudes que podem sim reduzir os riscos em cirurgias plásticas. O primeiro fator e o mais  importante é a escolha do cirurgião plástico que vai fazer sua cirurgia que deve ser escolhido por indicação e ter registro na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, ou seja, para ser considerado especialista em cirurgia plástica, um profissional precisa passar pelo curso de medicina – seis anos –, pela residência em cirurgia geral – dois anos – e pela especialização em cirurgia plástica – dois ou três anos. Depois de todo esse estudo, ainda tem que ser aprovado em um exame específico para ser aceito na SBCP.

 

Após a escolha do profissional credenciado, ele vai lhe pedir todos os exames do risco cirúrgico para saber seu estado físico para diminuir as possibilidades de algo dar errado durante o procedimento ou depois.

 

Em geral, o paciente deve apresentar exames de sangue, de urina e uma avaliação cardiológica e em caso do paciente ser hipertenso ou ter diabetes, por exemplo –, isso demanda mais cuidados. Mas o médico só saberá se você realizar os exames e for absolutamente sincero com ele. Problemas de saúde antes da cirurgia – como gripe, febre ou diarréia têm que ser informados ao cirurgião para não ser um dos complicadores na hora da operação.

 

O segundo fato que diminui o risco de uma intercorrência é a escolha do hospital que deve ter uma infraestrutura adequada para atendimento do paciente em caso de uma emergência ou a necessidade de uma transferência para outro local.

 

E o terceiro fator é fazer cirurgias desassociadas, quanto menor a cirurgia menor o risco. Hoje não é aconselhável se fazer múltiplas cirurgias ao mesmo tempo com duração de 7 ou mais horas. Antes o número de horas considerado seguro era de até 5 horas. Alguns estudos recomendam no máximo 4 horas.

 

Lembre-se com todos esses cuidados ainda assim você está sujeito a um risco, porém se o médico conhecer seu histórico e se o hospital onde você será operado tem a estrutura adequada, as chances de alguma intercorrência diminuem consideravelmente.

 

Benedito Figueiredo Junior é cirurgião plástico na Angiodermoplastic. CRM 4385 e RQE 1266. Email: drbeneplastica@gmail.com

Twitter

PUBLICIDADE



Edição 204 Novembro de 2019

PUBLICIDADE

Enquete
COLUNISTA
BLOGS MAX
  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE


PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

© 2019 - Notícia Max - Todos os direitos reservados