Quarta-Feira, 11 de Outubro de 2017, 13h:37
Tamanho do texto A - A+

A era da informação e os jovens

Hoje, esta nova geração já está com 17 anos e escolhendo suas carreiras e profissões

Por: JÚLIO CAMPOS NETO

JÚLIO CAMPOS NETO

JÚLIO CAMPOS NETO

A leitura é uma ferramenta que pode e deve ser utilizada como componente de desenvolvimento de uma sociedade e principalmente de si mesmo, já que a mudança que desejamos para a sociedade começa em nós mesmos.

 

 

O mestre e “pai da administração moderna”, Prof. Peter Drucker, cunhou as célebres expressões: Trabalhador do conhecimento e a Era da informação.

 

 

Peter Drucker foi consultor e estudioso das problemáticas enfrentadas pelas grandes corporações americanas durante a década de 70 até o final da sua vida em 2005.

 

 

Seus trabalhos e estudos já anteviam as mudanças e transformações que a informação estaria realizando nas corporações e consequentemente na sociedade como um todo, já que as corporações nada mais são do que grandes grupos de pessoas em busca de um objetivo comum unidos em uma empresa.

 

 

No início do século XX (1901 a 2000), as profissões se resumiam em medicina, advocacia, lavrador ou sacerdócio.

 

Não havia esta gama de profissões que há hoje em dia, que variam entre ciências humanas, exatas, agrárias e tecnológicas, e nem esta escalada social aonde as pessoas são capazes por esforço próprio de mudar de renda, cidade, profissão e até de sexo.

 

 

Antigamente filho de médico era médico e filho de lavrador era lavrador, e com isso surgiu a conhecida expressão de que “filho de peixe peixinho é”!

 

 

Foi graças à revolução da informação que a sociedade e as organizações passaram a sofrer as mudanças que transformaram este novo século em o século do conhecimento.

 

 

 As pessoas realizaram o êxido do campo para as cidades através da revolução industrial, deixando a vida agricula para se agruparem nas cidades e consequentemente nas empresas e na vida em sociedade.

 

 

Inicialmente a sociedade e corporações se organizaram em hierarquias, normas e leis. A democracia conquistou o seu espaço sem acabar com as raízes do totalitarismo e criou a burocracia como ferramenta de controle.

 

 

Hoje, século XXI, a informação fez surgir uma nova sociedade e uma nova geração de cidadãs, que são totalmente diferente a do inicio do século passado, com outros valores e costumes e quem vem para romper com todas as características da sociedade rural do século passado.

 

 

Hierarquia, preconceito, racismo, sexualidade, liberdade de expressão e principalmente visão do mundo estão passando por profundas mudanças através da geração nascida nesse novo século (a partir de 2000) e que são classificadas como geração Milenium .

 

 

Hoje, esta nova geração já está com 17 anos e escolhendo suas carreiras e profissões.

 

 

Porém estes jovens devido ao excesso de informação, característica comum deste novo século, estão sofrendo com as consequências já visualizadas pelo Prof. Peter Drucker no seu livro Gerente Eficaz de 1967, aonde o mesmo alerta que a informação que ao mesmo tempo é útil e necessário para uma tomada de decisão pode prejudicar as pessoas que não conhecem a si e o que deseja do futuro.

 

 

O papel dos pais neste momento de insegurança e de escolhas da profissão pelos seus filhos é de orientar, explicar e oferecer a liberdade de escolhas que este novo século provem a todos e todas, e possivelmente a expressão “filho de peixe, peixinho é” ficará esquecida para sempre.

 

 

JÚLIO CAMPOS NETO é administrador de empresas, pós-graduado em Gestão de Negócios, MBA em Gestão de Projetos e suplente de deputado estadual pelo Democratas-MT.

 

Confira Também Nesta Seção:

INíCIO
ANTERIOR
1 de 1
PRÓXIMA
ÚLTIMA




Edição 116 Dezembro 2017

COLUNISTAS
Enquete


BLOGS MAX


© 2016 NOTÍCIA MAX - Todos os direitos reservados.