ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Quinta-Feira, 08 de Novembro de 2018, 11h:55
Tamanho do texto A - A+
Twitter

Direito adquirido

Por: RENATO GOMES NERY

renan gomes nery

 

O Brasil é a pátria dos privilégios.  Pouca gente por aqui se preocupa com deveres, mas a maioria não abre mãos de direitos e vantagens existentes e inexistentes. Os funcionários públicos, sem metas de desempenho e produtividade, são campeões neste quesito, com as exceções devidas dos funcionários que ganham pouco e trabalham em precárias condições humanas e materiais.  Aqui é lugar onde quem paga salários (população) tem menos direitos a proventos do que  aqueles que recebem: funcionários públicos. 

 

Aqueles que contribuem compulsoriamente para o INSS, não têm, por exemplo, direito a: quinquênios, férias em dobro, licenças remuneradas, auxílio moradia, auxílio alimentação, estabilidade, pontos  facultativos, feriados estendidos, irredutibilidade de vencimentos e uma série de manhas e artimanhas para aumentar proventos  dos marajás do serviço público. Todos estes faraônicos ganhos são acobertados pela garantia constitucional do direito adquirido. Não cremos que tal direito prevaleça sobre o direito, também, constitucional: a saúde, a educação ou sobreponha a penúria e a fome de grande parcela da população! 

 

Sexta-feira passada foi dia de finados, mas aqueles que são mais iguais que outros (George Orwell – Revolução dos Bichos) já flanaram na quinta-feira. Entretanto, os escravos pagadores de impostos trabalharam e produziram religiosamente no quarto dia da semana. E assim sucessivamente são enforcados anualmente tantos outros dias que antecedem ou sucedem feriados. Aliás, aqui é a pátria dos feriados acrescidos dos engenhosos pontos facultativos que graciosamente fazem jus os valentes servidores do povo.  

 

As contas públicas estão pela hora da morte e os especialistas acusam os salários públicos por grande parcela do seu descalabro. O País está na beira do abismo fulminado por despesas públicas excessivas (e outras  “cositas más”)  que já ultrapassaram o teto do  tolerável e do aceitável.  

 

Governo novo! Vida nova! Aguarda-se que os novos mandatários, eleitos contra desmandos de toda ordem, tenham sensibilidade para ver, saber e ter coragem de tomar medidas apropriadas e amargas, cortando privilégios e contrariando interesses, para que o País possa emergir do abismo em que foi deliberadamente metido.

 

Renato Gomes Nery
Advogado
rgnery@terra.com.br

Twitter



Edição 156 de Novembro de 2018

COLUNISTAS
Enquete

BLOGS MAX



© 2016 NOTÍCIA MAX - Todos os direitos reservados.