PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Sábado, 18 de Janeiro de 2020, 11h:16
Tamanho do texto A - A+
ROMILDO GONÇALVES
Twitter

A hanseníase em MT

 

Mato Grosso vive hoje uma questão diametralmente singular, com dois modelos de desenvolvimento em curso a serem focados: um econômico e outro social. no primeiro modelo convive-se com tecnologias de produção agrícolas de ponta só comparáveis a países como Holanda, Dinamarca, Suíça, França, Estados Unidos ou até melhor.

 

Já no segundo modelo de desenvolvimento do Estado este pode ser comparado literalmente com países como Nepal, Sudão, Haiti, Bangladesh, Somália, Serra Leoa... Fato literalmente paradoxal, incompreensível inadmissível ...

 

Como se vê esse descompasso, pode ser visto na posição em que o Estado ocupa no ranking de doenças do século passado, como por ex. a Hanseníase! será que está faltando bom senso, responsabilidade, espirito altruísta aos gestores públicos ou é descaso mesmo? Fico com a última opção!

 

É vergonhoso para não dizer desumano que gestores públicos e a própria sociedade humana continuam permitindo a proliferação de doenças paleolíticas como a Hanseníase em pleno século 21, em um estado tão rico financeiramente falando, não é mesmo?

 

O Brasil ocupa hoje a 2ª posição no ranking mundial entre os países com maior índice de hanseníase, ficando atrás do país Indiano, absurdo. Já no ranking nacional o Estado de Mato Grosso lidera vergonhosamente a maior taxa da doença no país, por esse motivo é reconhecido como Estado hiperendêmico. Realmente é um fato paradoxal para um Estado tão rico financeiramente falando, Não?

 

Em 10 anos essa paleolítica doença chamada hanseníase, aumentou em 79,7% no território mato-grossense, ou seja, em uma década 32.286 mais de trinta e dois mil casos se alastra entre população humana mais humilde infectando-a literalmente.

 

Cadê os gestores públicos federal, estadual e municipais que não conseguem barrar esse desleixo, esse descaso com a população humana mais humilde?  Como pode constata-se o próprio ministério da saúde mostra com clareza esse vergonhoso avanço da doença no país e no Estado de Mato Grosso no período em foco. Vergonha!

 

Mas, afinal o que é hanseníase? hanseníase é uma doença infecciosa, de evolução crônica causada pelo Mycobacterium leprae, associada às precárias condições de saúde, falta de saneamento básico, falta de moradias, falta de qualidade de vida, fundamentalmente causado pelo desprezo, e desleixo dos gestores públicos com a população humana.

 

Quem paga essa pesada canta, essa desconsideração com a vida humana? Naturalmente a própria população humana mais humilde, quase abandonada esquecida pelos administradores públicos. Porém, por outro lado espertalhões enchem os bolsos dos paletós com dinheiro público, descaradamente.

 

Nessa dicotômica questão é preciso uma avalição mais pormenorizada dos fatos e correção de rumos nessa seara, não? Como se sabe o Estado de Mato Grosso, viveu séculos geograficamente isolado do restante do país, e hoje corre o risco hoje de voltar a isolar-se por causa de uma doença paleolítica. Paradoxal, não?

 

Hoje o estado de Mato Grosso comporta mais de três milhões de habitantes humanos residentes, grande parte dessa população vivem ou vegetam as margens de uma sociedade abastarda e soberba.

 

E como se vê, o recrudescimento de doenças oriunda do período paleolítico avança e demonstra o descaso, o desleixo e fundamentalmente a falta de dignidade e respeito com a vida humana, pelos gestores públicos. 

 

Um dos fatores que convergem para tal fato é a má e injusta distribuição de renda no estado. Concomitantemente permeia no estado riquezas e pobrezas, sem a menor discrição.

 

Uns arrotando riquezas e outros gemem de pobrezas, fato inadmissível e vergonhoso. Urge portanto gerar políticas públicas sérias, sustentáveis, e reestabelecer a dignidade humana, não?

 

Por isso questiona-se? Que desenvolvimento é esse? Para que? Para quem? Qual o propósito? Um Estado propalado aos quatros cantos do mundo como potência econômica, com IDH, caminhando nessa direção? Com Guetos humanos explicitados, em vários pontos geográficos do Estado! como justificar o injustificável? Com a palavra os gestores públicos.

 

Como bem define o pai dos “burros”, Em países atrasados, grassa a doença, grassa a violência, grassa a insegurança, e impera a corrupção, o desvio, e a má gestão.

 

Para finalizar vale aqui uma reflexão,” A concentração de renda nas mãos de poucos fere de morte o pensamento altruísta”.

 

ROMILDO GONÇALVES é biólogo e professor pesquisador em Ciências Naturais da UFMT/Seduc

Twitter

PUBLICIDADE



Edição 215 Fevereiro de 2020

PUBLICIDADE

Enquete
COLUNISTA
BLOGS MAX
  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE


PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

© 2019 - Notícia Max - Todos os direitos reservados