PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Segunda-Feira, 11 de Março de 2019, 16h:20
Tamanho do texto A - A+
AGRONEGÓCIO
NORTÃO Twitter

Entreposto será adequado para que piscicultores voltem a vender peixes para outros Estados

Por: AGRONOTÍCIAS

 

Cerca de 95% do peixe produzido pela Cooperativa dos Aquicultores do Portal da Amazônia (Cooperpam), que reúne piscicultores dos municípios mato-grossenses de Alta Floresta, Carlinda e Paranaíta são vendidos para Estados na região Norte. Mas, nos últimos dois meses, a distribuição de peixes foi suspensa porque o serviço de defesa descobriu que os atravessadores estavam desviando o pescado para outros locais diferentes do destino da GTA (Guia de Transito Animal). O assunto foi discutido na Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) com representantes do Instituto de Defesa Agropecuária (Indea), Associação dos Aquicultores de Mato Grosso (Aquamat), superintendência do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), secretaria de Meio Ambiente (Sema) e de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários (Seaf). Os mais de 200 piscicultores que fazem parte da cooperativa estão há aproximadamente 60 dias sem comercializar peixes.

 

Segundo o presidente da Cooperpam, Valmir Valverde, os produtores comercializavam o pescado para os atravessadores, mas recentemente descobriram que a documentação emitida para os frigoríficos do Norte do país está ilegal. “Estamos emitindo nota fiscal e GTA para determinado frigorífico que tem SIF quando na realidade esse pescado não chega nesse frigorífico, ele é desviado e vai para outra rota”, informou. Para sair da rota dos atravessadores e comercializar os peixes com Serviço de Inspeção Federal (SIF) direto de Mato Grosso, a cooperativa solicitou o apoio das entidades e governo para reativar o entreposto de Alta Floresta onde será possível fazer a lavagem dos peixes e fazer o SIF para que sejam distribuídos direto do Estado. Ficou definido que uma projetista avaliará a situação do entreposto e adequá-lo conforme a necessidade da cooperativa e de acordo com as exigências do SIF. Estima-se que o entreposto terá capacidade para receber quatro toneladas de peixes por dia.

 

“A médio prazo é uma alternativa apropriada, pois com o entreposto a cooperativa ficará mais independente, podendo distribuir o pescado para qualquer Estado do Brasil. Entretanto, o maior problema é a curto prazo, já que os produtores têm peixes nos tanques e precisam comercializá-los até a Semana Santa. Estamos fazendo uma busca no Pará e em Mato Grosso de possíveis compradores que possuem Serviço de Inspeção Federal, Estadual ou Municipal” explicou o analista de pecuária da Famato, Marcos Carvalho.

 

A Cooperpam movimentaria em torno de R$ 24 milhões por ano na manutenção da piscicultura, engorda e venda dos peixes. Engorda aproximadamente 2,5 milhões de quilos de peixes por ano gerando 1,2 mil empregos diretos e 3 mil indiretos ao ano.

Twitter

PUBLICIDADE



Edição 170 Março de 2019

PUBLICIDADE

Enquete
COLUNISTA
BLOGS MAX
  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE


PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

© 2019 - Notícia Max - Todos os direitos reservados