PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Quinta-Feira, 14 de Março de 2019, 09h:28
Tamanho do texto A - A+
ESPORTE
PACIÊNCIA E SAUDADE Twitter

Beira-Rio revive atmosfera de Libertadores e empurra Inter a melhor arrancada na história

Por: Eduardo Deconto — Porto Alegre

 

Os colorados esperaram quase quatro anos até voltar a respirar a Libertadores no Beira-Rio. E o Inter fez valer cada um dos longos 1337 dias de paciência e saudade. Nesta quarta-feira, mais de 42 mil almas rugiram nas arquibancadas para empurrar a equipe não só para construir a vitória por 2 a 0 sobre o Alianza Lima, pela 2ª rodada do Grupo A. Mas para escrever um pouco de história.

 

+ Maurício Saraiva: uma vitória de Odair 

 

Antes de corresponder à festa que ecoou em seu estádio e bater o rival peruano, o Inter estreou com vitória por 1 a 0 sobre o Palestino, no Chile. Os 100% de aproveitamento com dois triunfos fazem o Colorado viver a melhor arrancada em 12 participações na Libertadores.

 

O resultado tão positivo foi construído com uma atuação de gala de Nico López. O gringo confirmou todo o cartaz de referencial técnico e protagonista do elenco. E precisou de apenas 18 de partida minutos para isso. O uruguaio definiu a partida com dois gols de fora da área.

 

Mas o início em rotação tão elevada também pode ser creditado à atmosfera que emanou das arquibancadas. E até antes disso. Ainda no pátio, os torcedores já transmitiam as energias positivas na chegada do ônibus ao Beira-Rio.

 

Os cânticos tradicionais começaram a ressoar com força minutos antes de a bola rolar. A partir daí, uma festa quase ensurdecedora e fez pulsar o concreto do estádio para empurrar a equipe.

 

– (A atmosfera) Foi essencial. O Inter foi assim em todos os jogos aqui no ano passado. Foi uma grande partida, controlamos, não tivemos sustos. O torcedor lotou o estádio. Foi uma cena maravilhosa. Apenas desfrutei o momento. Queria pegar esse Beira-Rio novo. Ele é lindo. Eu estou muito feliz de jogar a Libertadores, jogar bem e vencer, que é o que vale – diz Rafael Sobis.

 

Os 100% de aproveitamento têm reflexo direto na vantagem considerável construída logo em dois jogos na competição. Líder isolado do Grupo A, o Inter abriu quatro pontos de margem para o River Plate, segundo colocado que ficou no 0 a 0 com o Palestino no Monumental de Nuñez.

 

O Inter recebe o atual campeão da Libertadores no Beira-Rio já na próxima rodada, mas apenas em 3 de abril, às 19h15. Se vencer, a equipe de Odair abrirá sete pontos para o principal rival da chave.

 

– É um cenário positivo. Trabalhamos, pensamos, idealizamos e sonhamos com as duas vitórias. Mas não há definição alguma. O jogo do River não define classificação. Temos consciência. Temos que fazer nossos jogos como sempre fazemos: muita postura e tranquilidade. Dá uma confiança maior, mas temos que respeitar os adversários – diz Odair Hellmann.

JYU

 

 

Não bastasse o cenário para lá de positivo no Grupo A da Libertadores, o Inter solidifica a sua confiança por viver o melhor momento em cinco anos. A equipe de Odair Hellmann soma sete vitórias consecutivas – a maior série sob o comando do treinador e desde os oito triunfos seguidos com Abel Braga em 2014. Assim, supera a instabilidade inicial em 2019.

 

– Primeira vez na história que o Inter vence as duas na Libertadores. São dois jogos, com três gols feitos, nenhum sofrido. Mas não queremos estar no ápice em março. Precisamos melhorar para quando as competições chegarem às fases decisivas – diz o vice de futebol Roberto Melo.

 

Agora, tudo é Gre-Nal. O elenco colorado se reapresenta para trabalhos na tarde desta quinta-feira e inicia a preparação para o clássico. O Inter enfrenta o maior rival Grêmio no próximo domingo, às 19h, na Arena, pela 10ª e penúltima rodada da primeira fase do Campeonato Gaúcho.

Twitter

PUBLICIDADE



Veja mais sobre este assunto:

Edição 180 Maio de 2019

PUBLICIDADE

Enquete
COLUNISTA
BLOGS MAX
  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE

  • PUBLICIDADE


PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

© 2019 - Notícia Max - Todos os direitos reservados